sábado, 28 de fevereiro de 2009

acordada


Era noite. Um silêncio que fazia tilintar os pequenos gestos. Tua mão adormecia sob a cabeça e tuas pernas enlaçavam as minhas. Eu permanecia acordada. O movimento de tua respiração dizia do profundo do sono. Pequenos espasmos confirmavam a entrega. Eu poderia assim, como quem não quer nada, deslizar minhas pernas nas tuas. Deitar minhas mãos sobre teu pescoço e roçar o canto do desejo. Ir virando-me lentamente, deitando minha respiração quente rente à tua orelha e derramar insinuações. Cada dedo traçaria levemente o caminho da tua boca e te alcançaria. Eu te tomaria por uma das mãos embalando os teus sonhos do meu corpo. Em fluxos e refluxos de marés altas. Leves como convém a um homem que dorme e uma mulher que navega. Com a outra mão te cobriria os olhos. Permanecerias, assim, com um tanto de mim assentada e outro tanto imagem borrada. Retiraria, suavemente, minhas pernas das tuas e me elevaria e te levaria. Em movimentos contínuos de abrir e fechar as portas. Até que toque de recolher nos devolvesse o silêncio dos pequenos gestos. Eu amanheceria.


(para o homem que enxerga, mesmo que faça escuro)

15 comentários:

  1. Amar é amanhecer para dentro: essa frase me surgiu agora, recém leitura do seu texto. Amar é essa coisa de saber que o outro dorme e olhar o contorno da boca do outro no lusco-fusco da luz que entra por debaixo da cortina. Ainda que tudo talvez seja questão de egoísmo que se quer paz, de vaidade que se quer união, amar continua sendo esse abraço, essa mão, essa vontade, esse querer que não se dá e por isso mesmo é amor, apesar de às vezes parecer um contrato no qual nenhuma das partes acordaram ou leram as cláusulas correspondentes justamente porque eram analfabetas naquela língua. Portanto reitero: amar é amanhecer para dentro, deslizando em nós próprios os desejos do sono que não queremos pertubar mas apenas observamos. Um exemplo: minha primeira namorada, na primeira noite que dormi na casa dela, não transamos. Dormi rápido porque estava cansado da viagem: ela era de Porto Alegre e eu de Santo Ângelo. Duas semanas depois ela me confessou que ficou me olhando dormir a noite toda. Fiquei pasmo e perguntei porque não tinha me acordado. Sinceramente não lembro o que ela respondeu mas só lembro que seus olhos tinham o âmbar das coisas que se conservam para sempre. E acho que isso tem a ver com o sol, tem a ver com o sangue, tem a ver com essa pedras que criam camadas de tempo por sobre os ossos de ontem. Mas acima de tudo tem a ver com nosso peito, com nossos amanheceres para dentro e nossos carinhos restritos ao sonho: fotografia montada daquilo que queríamos mas que o amor não deixou. Por isso amar é sempre querer e paixão é só querer. E amar, ao menos para mim, romântico desiludido, comunista frustrado, filósofo inconsequente, escritor em construção que talvez não se atire do prédio do Chico, é para sempre. Um beijo, Glória.

    ResponderExcluir
  2. é essa cena, um desejo velando o sono do ser amado. "Sinceramente não lembro o que ela respondeu mas só lembro que seus olhos tinham o âmbar das coisas que se conservam para sempre. E acho que isso tem a ver com o sol, tem a ver com o sangue, tem a ver com essa pedras que criam camadas de tempo por sobre os ossos de ontem". A sensação tào idílica de vigília do sono de entrega de quem se ama, mesmo que o corpo arda e fique em cosmbustão. O enlevo de um sentimento que faz sol no corpo. Isso é um amor que não apaga. Você viu! bjs

    ResponderExcluir
  3. Uau! Tô ficando sem fôlego ao ler texto e comentários! (hahahahá)

    Muito bom! Parabéns, Glória! Amei a sua visita e adorei o seu blog! É tudo muito lindo e sensível.

    Obrigado pelo carinho dos comentários. Achei o máximo! Fique sempre à vontade para dar a sua opinião!

    Te espero por lá!

    Um beijãooo.

    Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA - www.atorremagica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Glória, estive aqui por um tempo...
    Carpe Diem...

    ResponderExcluir
  6. Glória, sempre fico assim, sem palavras, quando venho aqui - e sempre venho. Seus textos me deixa completa, satisfeita, como se eu tivesse realizado um desejo há muito sonhado. Se eu passo e não comento, é que fiquei assim... encantada.

    Um beijo pra você Glória.

    ResponderExcluir
  7. A vontade do ato já é o próprio amanhecer. Beijo.

    ResponderExcluir
  8. só uma frase antes de dormir: você é muito bonita. beijos.c

    ResponderExcluir
  9. Tirastes parte do meu fôlego.
    Por que manhã de noite bem dormida é diferente daquela de noite sozinha,
    e por que embora se durma mal,
    por que o desejo não é de parar, acorda-se bem,
    por que desejo não é de parar.
    ele é de fazer amanhecer, e nem se precisa ver os raios,
    A passagem da noite pro dia é muda por fora e verborrágica por dentro.

    E eu e calo aqui.
    beijo saudoso.

    ResponderExcluir
  10. A vida só faz sentido no movimento. Não existe nada que faça sentido sem movimento. Do sexo ao fim, movimento somos. Do esperma ao pó, movimento seremos. Os dias amanhecem, as noites caem e tudo se perpetua nesse eterno movimentar - rol de possibilidades em uma rua que não é semelhante a nada mas que condiz com a nossa própria face sem nome. RG? CPF? Porque invencionices formais se o mundo só é mundo se inventado por nós? Mais vale o seu arco-íris e o meu pôr-do-sol que qualquer batismo de padre. Mais vale esse vento que me entra pela janela e o estômago já cansado do café que qualquer bancada estatal. Mais vale sentir tudo isso ao mesmo tempo, como se a própria América Latina trouxesse em si uma narrativa sem começo, meio ou fim, feita somente de fragmentos desconjuntos de um vir-a-ser que nunca se realiza e por isso mesmo é: projeção da saudade, projeção do samba e da milonga - sertão, pampa e praia convivendo em uma só voz, em um só toque, em uma só pele de palavras. Tais palavras, ainda que manchadas por tantas atrocidades, trazem em si a possibilidade de brotar uma flor de vida em meio a crueldade desses rituais diários que nos fazem cumprir horários, como se fôssemos prisioneiros das grades dos ponteiros. Por isso gosto de ti, poeta de Eros, bela de tez e vez. Um beijo com gosto de terra vermelha, muito embora, não sei por qual motivo, escrever estas linhas me faça morder os lábios.

    ResponderExcluir
  11. glória do meu coração,
    há dias tenho sido noite
    mas fico tão-tão feliz por tuas alvoradas
    quero amanhecer também!!!
    um beijo de sol pra tu, que é uma amiga pra lá de iluminada.

    ResponderExcluir
  12. Que texto lindo..........amei!!!

    ResponderExcluir
  13. Fiquei querendo amanhecer também. Gosto dos seus textos porque ao começar não paro mais. Uma viagem intensa!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Oi Glória, tudo bem?
    Antes de mais nada quero agradecer pela visita em meu blog.
    Estive xeretando por aqui, aliás bastante, pois achei os textos fantásticos, de uma sensebilidade e sinceridade que cada um que eu lia, mas vontade dava de ler outros.
    Meus parabéns pelo belíssimo trabalho.
    Já te linkei no meu blog para poder vir sempre aqui deliciar com todo esse mar de sensações transmitidas pelas suas palavras.
    Espero que não se importe se eu colocar esse belo texto em meu blog, dessa forma quem ler poderá vir aqui e compartilhar das mesmas sensações que tive ao passar por aqui.
    Um grande beijo

    Paulo Ka (the K theory)

    ResponderExcluir

Ventanias