segunda-feira, 29 de junho de 2009

A armadura do guerreiro e as asas da feticeira (parte dois)


Camille Claudel

Raquel cerra os olhos, aperta as pálpebras até que o medo seja revertido em escuridão. A cancela do olhar é sua única via de fuga. Ela se encolhe e esconde a cabeça entre braços e pernas. Um rasgo de choro invade o silêncio dos gestos. O homem permanece ao seu lado. Em seu rosto delineia-se uma grave expressão de incredulidade. Uma mulher condenada por todo tipo de sortilégios não tremeria tanto diante do inusitado. Por outro lado, um homem que apenas conhece o poderio da força física não tem como esboçar temor diante da magia de uma mulher seguramente acorrentada. Ele havia escutado por todo o reino estórias prodigiosas acerca da feiticeira. Era alardeado aos quatro cantos seu poder de curar, predizer o futuro e o de provocar paixões passionais e traiçoeiras. Raul, o carcereiro, fora advertido para que em nenhum momento mirasse os olhos da presa. Seus movimentos no calabouço eram tão limitados quanto os de Raquel. O corpo de um homem e de uma mulher sabe das ondulações do desejo, mesmo que falte a vibração das palavras. Raul era um mouro destemido e, por isso mesmo, se julgava inabalável. Já fizera parte das linhas de frente das cruzadas e considerava o calabouço o lugar para um breve descanso. Costumava dizer que seu corpo era armadura e por isso dispensava escudos. Havia ganho a alcunha de gigante e essa batalha era considerada a mais branda de sua vida. Uma mulher com correntes envolvendo cada braço, pernas e por volta do pescoço parecia não oferecer ao lutador nenhuma espécie de risco. Ele estava à salvo, afora algumas zonas de percepção consideradas as mais valiosas armas do carcereiro. Seu faro de caçador, seu ouvido de predador, seu olhar de tiro certeiro. Todos os sentidos estavam ativados para o bem e para o mal. Os ouvidos não têm pálpebras e os olhos não sustentam invólucros de ferro. Ele não contava com a imagem de pingos de água deslizando por sobre os seios brancos de Raquel. Ele não imaginava que seus cabelos pretos volumosos tangenciassem a cintura e emoldurassem uma beleza de fêmea selvagem. Ele muito menos antevia a delicadeza e o silêncio aquietado na superfície da pele e dos gestos de uma mulher entre correntes. Ao deixar-se embeber por cada gota, ao burlar nós, cadeados e cancelas Raul foi sacudido pelo pranto ruidoso de Raquel. Ele não apreendeu esses golpes. O que fazer? Repentinamente, o carcereiro toma as chaves e afrouxa o metal que envolve o pescoço da mulher. As mãos ásperas do homem percorrem o caminho de lágrimas. Em seguida, seus dedos entrelaçam os fios do cabelo de Raquel em movimentos contínuos de cima até alcançar às pontas. Uma a uma. Havia um tempo sem que nada fosse dito. Apenas ruídos. O corpo é que fala as palavras. Cada fio desalinhado de cabelo, cada ternura deslizada parecia romper um quantum de sons abafados. Como rito primeiro de criação do mundo, Raquel fixa a visão em direção aos olhos do carcereiro e entoa uma canção. Um som modal, como um tufão de intensidade liberta o gemido acorrentado da feiticeira. O encantamento se sobrepôs à paisagem. Um corpo de mulher avoa livre em meio a escuridão. Não havia mais correntes nem armaduras. Apenas o coração de um homem abrigado nas asas de uma mulher.

30 comentários:

  1. Glória, voltarei com mais calma e tempo para ler sua história, estou passando para desejar-lhe uma maravilhosa semana...

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Femininamente apoteótica! Passei pra retribuir a visita e me encantei com seus textos, o astral, o visual... q bom! Virei seguidor. Bjos

    ResponderExcluir
  3. Aliás, gêmeos com asc. em gêmeos = comunicação à flor da pele. Tb sou geminiano!! bjo

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda vou ler um livro de autoria da maravilhosa Glória!!! ahh se vou!

    Essa mulher é incrível escrevendo...

    ResponderExcluir
  5. Glória,

    Você é sempre tão gentil. Sempre visita o afeto e eu não apareço. Não que eu siga a troca de favores, mas leio o que gosto e vou ler você que fala das paixões, além de ilustrá-las.

    Eu adorei a imagem da escultura. Assisti ao filme que conta a vida de Camille e Rodin. Triste forma de ser esquecido um talento.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Lendo teu belíssimo texto, só tive a confirmação praquela história que é do tempo das nossas avós: o amor liberta. E você usou isso de forma literal e metafórica. Amei!!


    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Glória!

    Você é o mais perfeito poema, minha linda!

    E esse texto seu é uma obra de arte! (rsrsrsrsrs)

    Você é sofisticada, delicada, inteligente e sensível em suas publicações! Por isso, eu amo estar aqui!

    Um beijãooo!

    Pedro Antônio :)

    ResponderExcluir
  8. E que força tem Raquel.
    Lendo sua prosa poétia lembrei-me de Manoel Bandeira : "Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
    A alma é que estraga o amor.
    Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
    Não noutra alma.
    Só em Deus – ou fora do mundo.
    As almas são incomunicáveis.
    Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
    Porque os corpos se entendem, mas as almas não.”

    Como sempre seus textos são deleites para os olhos e para a alma.
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  9. Impossível não tremer com as tuas linhas.
    Tua palavra desenha liberdade, desejo, encontro.
    No teu texto
    “O corpo é que fala as palavras”.
    Bj, Feiticeira.

    ResponderExcluir
  10. Textos , linhas apontando pra tantas trilhas do desejo. Camille de Claudeis, coronéis de cangaços em terras frencessas , rosianas...mas asas que abrigam as letras dos desejos;))

    ResponderExcluir
  11. Não sou jornalista nem escrito. Sequer escrevo bem. Sou aposentado. Meu imposto de renda é retido na fonte pelo INSS. Já nosso querido apedeuta tem sua receita de INSS como anistiado político acima do teto do INSS livre de IR.
    Minha forma de lutar contra os desmandados implantados por este governo corrupto no Brasil é através de um blog http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/
    Gostaria de contar com a presença e dos comentários das pessoas de bem que não se conformam com a desonestidade, a falta de ética e a corrupção em nosso governo.

    ResponderExcluir
  12. Menina te acho linda, viu?
    Bjussssssssssssssssss.

    ResponderExcluir
  13. ão saem palavras aqui
    só gemidos.

    arre, mulher

    ResponderExcluir
  14. "O corpo de um homem e de uma mulher sabe das ondulações do desejo, mesmo que falte a vibração das palavras."

    Acho lindo como você tece tuas idéias, Glória.

    Bjs
    berenice

    ResponderExcluir
  15. Quer dizer que a danada é maga?!
    Só podia...

    Ela tinha corrente no pescoço,veio um homem que não é dos porões, mas gosta de dar ali umas voltas, e a resgatou. Não sei por que acho q ela merecia estar ali. Nós queremos aprisionar belezas, vôos, frenêsi, ímpetos, ela devia ter tudo disso saltando d si para os olhos inibidores verem. Merece a prisão, com ferro no pescoço. A condiçao humana se aproveita de tudo para barrar o que, por exemplo, Raquel é.
    Depois disto vejo que essas linhas são da libertação.

    Tenho muita euforia em meu corpo hoje..Raquel tem culpa. Ela merece mesmo o calabouço :P

    beijo mais que querida...

    ps..que bom que hoje deutud certo.

    ResponderExcluir
  16. Raquel é imagem. Desejo é prisão. Mas Raquel é desejo. Então Raquel é prisão. Raul vigia Raquel. Mas é Raquel que aprisiona Raul. Raul é a corrente e o olhar. Mas a corrente nunca se amolda ao corpo assim como o desejo jamais basta para um corpo que é desejo. Por isso o cabelo é a noite que cai. E por isso a umidade é que escorrega a vigilância de Raul. A única palavra da imagem é o simples desejo de ser mais que imagem. Mas quando a prisão de Raquel envolve Raul, talvez lá no alto outra constelação seja rabiscada. E tudo permaneça como desejo, moto-contínuo da vida, ruído interminável do ser na paixão de existir. Um beijo, Eduardo.

    ResponderExcluir
  17. Glória, a nossa revista digital Entrelugares está organizando o terceiro número com o eixo temático corpo. Pensei muito em voce e na sua contribuição única, competente e séria. Voce bem poderia nos enviar um trabalho seu, o que acha? Ficaríamos muito honrados, pode crer. O nosso endereço é www.entrelugares.ufc.br
    O que voce acha? Estou enviando esta mensagem por aqui, porque não consegui pelo orkut e não tenho seu email. O meu email é shara_pi@hotmail.com
    Fico te aguardando. Beijo, Shara.

    ResponderExcluir
  18. Glória, a nossa revista digital Entrelugares está organizando o terceiro número com o eixo temático corpo. Pensei muito em voce e na sua contribuição única, competente e séria. Voce bem poderia nos enviar um trabalho seu, o que acha? Ficaríamos muito honrados, pode crer. O nosso endereço é www.entrelugares.ufc.br
    O que voce acha? Mandei mensagem por aqui pq não consegui por orkut, e não tenho mais teu email. Fico te aguardando. Beijo, Shara.

    ResponderExcluir
  19. Ao meu querer!
    Dias noites, estações esquecidas
    Inventei sonhos para sonhar
    Lavei mágoas, dores perdidas

    Uma árvore toca as águas da lagoa
    O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
    Um Melro negro solta um pio ao acaso
    A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


    Convido-te a ver a Cor da Claridade


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  20. Este mar de fresco azul
    Estas pedras sentinelas constantes
    Estas ondas que adormecem nelas
    Vieram do mundo em formas navegantes

    O amargo das uvas verdes
    Cede ao sorriso do astro rei
    O doce invade os sentidos
    E a ternura impõe a sua lei


    Boa semana


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  21. Olá Glória, Lindo conto, pena que parou...

    Hoje uma data muito especial ...
    Feliz Dia do Amigo!!

    A - Amor Profundo
    M - Maduro e Pleno
    I - Isento de interesse
    Z - Zen = Leve, clean
    A - Apartado da mediocridade
    D - Desprovido de mesquinharia
    E - Eterno, por estar presente!!

    Bjs!
    Aloha!!
    Hod.

    ResponderExcluir
  22. Oi, o Cordelirando está com a campanha+promoção: Ajude Salete Maria a CORDELIRAR!
    Dá uma conferida e, se der, participa e divulga, por favor!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Alguem pode me dizer onde se escondeu a Glória?

    Saudades...

    Rossana

    ResponderExcluir
  24. Glorioso..
    Você ponhe alma no texto

    ResponderExcluir
  25. Então Poetisa, hoje dia 25.07 Dia do Escritor...parabéns!!

    Forte Abraço!

    Aloha!!
    Hod.

    ResponderExcluir

Ventanias