domingo, 21 de novembro de 2010

Prelúdio de partida


(Paulo Leminski)


Coração não bate
na repetição.


Existe alguém nesse lugar que ainda sinta?


O que ora ouço
é dissonoro com o meu canto


O grito é uma palavra que desespera?


os sinos da Igreja defronte badalam
éhoradeiréhoradeiréhoradeir


Tem quem repare nos famulentos que dormem em volta do lago?

A palavra perdeu a beleza
na cidade que espera

Cada coisa, mesmo sagrada, tem preço?

Pouco importa os muros caiados
se cada um porta a máscara

Você que me escuta abre mão de uma ilusão partida?

Saio vestida de arco-íris
e uma fortaleza de janelas abertas para o mundo

Quando os sinos anunciarem novas horas, mesmo distante, indagarei ao tempo

O amor sobrevive ao esquecimento?

Sobrevive?

17 comentários:

  1. Glória,
    quando por amar faltar o ar, a escrita será grito e ao mesmo tempo reserva extra de oxigênio.
    Ao escrever as dores se esgotam e as partidas se adiam.

    bjos, boa semana,

    fica bem!

    ResponderExcluir
  2. o que eu posso dizer além de que te entendo? que coisa bonita, linda, uma delicadeza sem fim. um beijo com amor.

    ResponderExcluir
  3. as palavras, reinvenções, o mundo ao avesso, nosso mundo interior, revirado...
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Glória, querida, estou chegando, ou estou partindo? Meus passos se dirigem ao preâmbulo do seu lindo texto, ou vai está em busca do compasso de um coração? O amor é uma devoção concreta, ou apenas uma relação de namoro com a pessoa amada? Não consigo vislumbrar os tímpanos no alto daquele campanário, porque todos passam com simulacros nas faces e não enxergam senão o que ainda restou de quimera, devaneio.
    Sei que as suas linhas acalentam uma espécie de brisa benfazeja, que me conduz em direção ao belo vulto que parece muito mais forte do que toda a cantaria do entorno.

    ResponderExcluir
  5. Muita sensibilidade essa sua... seda pura. Cuidado com peles lixentas e unhas mal cortadas.

    @carlosemilio

    ResponderExcluir
  6. Glória,
    Porque se o amor sobrevive ao esquecimento, não foi esquecido. Amor escrito, deixado e partido... Amor gravado nos muros da cidade, traços de poesia em meio ao caos.
    Adorei te ler.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  7. O verdadeiro amor sobrevive à tudo, inclusive ao esquecimento... mesmo que ninguém entenda nem possa explicar, porque não há explicação para os sentires...

    Lindo, Glória...

    Beijos n'alma!

    ResponderExcluir
  8. A força das palavras... grata surpresa este seu blog.

    beijos,
    rfelipe

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Sim, prefiro acreditar que ainda há quem sinta. De quando em vez, tenho felizes surpresas, como sua visita em meu singelo espaço virtual, ou como esse texto cheio de intensidades... Obrigado.

    Abraço afetuoso

    ResponderExcluir
  11. Assim vou
    em transparentes cores
    vestindo de janelas o mundo

    ResponderExcluir
  12. Quem não esquece não pensa. Irineu Funes é a prova. Mas quem esquece totalmente não vive. Hiroshima Mon Amour é o teorema exato dessa equação. Mas quando os preços supõe as coisas ao invés das coisas levarem aos preços, algo errado acontece. O que chama nos sinos não é a anunciação de um fim, mas a enunciação de uma mudez compacta que perpassa a vida dos esfarrapados na lama de cada lago de consumo. Há um volitivo pensamento entranhado no coração, sabendo que o esquecimento, base do pensar, mesmo que existente, é impossível em sua totalidade. Mas o que nos fará lembrar? Talvez uma intersecção de Morin com Barthes. Mas sinceramente, acho que apenas uma tragicidade à Hilda Hilst nos tirará do limbo no qual figuramos, reféns da apologia da coisa que personifica o corpo em mero objeto. Bom te reler, Glória. Há tempos não passava por aqui. Beijos.

    ResponderExcluir
  13. E quem esquece?
    Em algum lugar algo lembra.


    Beijos e boas ventanias

    ResponderExcluir
  14. acho que nao resiste nao, Glorinha...

    Menina, te ler de novo faz bem a alma,sabe o que senti agora lendo teu texto?? de volta a algum lugar, nao sei qual, mas de volta, engracado...

    bom te ler de novo :=)

    ResponderExcluir
  15. Glória, adentrar no teu recanto novamente traz cheiro de metáforas reacendendo a chama das partículas em voz sentidas.

    Abraços

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  16. Glória

    Hj meu desejo é somente em agradecer por ter compartilhado seus momentos comigo por mais um ano.
    Obrigada e um Feliz Natal e um 2011 regados de sabedoria para obter equilíbrio no regalo da Paz.

    Bjs ADiniz

    ResponderExcluir
  17. Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
    Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir

Ventanias