terça-feira, 2 de julho de 2013

Atopos


(Tinta Crua - Lisboa - Chiado)


Na Fortaleza
dos meus olhos
não há muralhas
nem cordões de isolamento.

A maresia é gás de efeito moral.
Balas de borracha e mãos de ferro
convêm tão-somente para arquivar a dor
nos museus dantescos do inferno.

O Mar que tinge
a areia da Beira
tem riquezas
repartidas entre gentes de uma só aldeia.

A cidade que miro,
vândala e insubmissa,
atravessa a noite escura
dos lobos acossados nas assembléias.

(glória diógenes, arremedo de poema)

3 comentários:

  1. e esse poema daria um conto ou um romance interessante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzi, agora que vi teu comentário. Verdade, esse conto daria, quase, uma vida nas tantas Fortalezas. abraços

      Excluir
  2. Parabéns pelo teu blog!
    Vem conhecer o meu:

    Feitaparailetrados.blogspot.com

    ResponderExcluir

Ventanias