segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Dirceu de Marília


Dez minutos foram suficientes. Esse absurdo cálculo dos instantes que não constam nas horas. Ela olhou o relógio assim que entrou na estação. O próximo trem logo apitaria e anunciaria redenção. Sair de um lugar leva tempo. Marília antevia o alvoroço dos dias. Ela não arredaria. Nem a alcunha de louca da torre, nem as janelas fechadas com sua passagem a conduziriam para longe da paisagem. O amor é o risível do medo. Quando Antônio se foi, carregou consigo a poesia que cada dia batia à porta da mulher amada. A hora era aguardada. Marília se enfeitava, banhava-se com água de colônia, escovava os longos cabelos e acendia o olhar. Muitos seriam capazes de jurar que havia uma alquimia nos versos que recebia. Ela entreabria o papel, suavemente, passava a língua na resina do envelope dobrado e mastigava letras amorosas em pratos fartos de lira. Mulher quando se sente amada risca sorriso sem motivo nos lábios. Quem acompanhava o farfalhar de suas longas saias subindo ladeiras, podia pressentir o amor que lhe subia às faces. Ela era farta. Ninguém ousaria apontar a loucura que já se instalava, sorrateira, nesse diálogo inexistente. Apenas Antônio fala. Como uma mulher suporta a ausência de um amor que se cala? Loucura deve ser um deserto de palavras de rumo certo restando apenas fragmentos de poesia. Marília soltou os cabelos, deixou o olhar vagar para além da Vila e se vestiu com túnicas soltas ao vento. Seu homem partiu em um barco à vela mesmo sendo eternamente dela. O tempo é tão mensurável quanto o curso de um rio. No alto da estação, letreiros marrons, em alto-relevo indicavam o destino do viajante – Mariana. Ele pularia do trem, tomaria as mãos da mulher já tão cansadas de apertar dedo por dedo e as conduziria até seus lábios quentes. Dez minutos podem unir continentes, mesmo que um trilho imaginário atravesse oceanos. Ela desfez a trança que entremeava os cabelos dourados, deitou-se no banco de madeira ao lado do trilho e fechou os olhos. A Maria-Fumaça estava exaltada naquele dia, fazendo mais alarido que o baticum do coração de Marília. O trem parou e ela continuou deitada por sobre o banco, derramando todo o tempo de espera e de fome. Desespero é palavra que se usa quando nenhum sentimento resolve. Passaram-se um, dois, três, dez minutos e ele não a conduziu de volta à sua encantada lira. Antônio cruzou a África e nunca mais voltou. Dizem que casou com a filha de um mercador de escravos. Pouco importa. Ela continua viva e sem nenhum sinal de onde espera, de onde mora. Os poemas de Antônio vagam por todas as bocas. Marília permanece nos refrões que compõem cada lira de Dirceu. Ela, nunca mais soube dela. Seria isso que chamam de loucura, essa morte em versos?


Para Marília de Tomás Antônio Gonzaga e para todas as mulheres que tiveram seus versos partidos

24 comentários:

  1. "Ela era farta", linda imagem, de uma mulher quando é amada.
    Gostei muito do seu blog,
    volto

    ResponderExcluir
  2. Impressionante como viajamos no seu relato. Imagens e poesia a cada linha ao vento da leitura. Fui a Minas com você, através de seu diário no Twitter. Volto a Minas com a prosa de Dirceu por Marília.

    ResponderExcluir
  3. Ela nunca mais soube de mim.
    Acho que eu nunca mais soube dela também.
    Só o tempo...
    Só a saudade...
    Perdir meu amor.
    Perdir minha Marilia no cais do porto.


    Bjos menina.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito.Bela homenagem.E Minas é realmente um lugar mágico(sem lugares comuns).Pedro Nava dizia que Ouro Preto ear cheia de 'fantasmas'.Ás vezes fico imaginando Dorotéia indo à missa.Tantos lugares em Ouro Preto são tipo-"Tomás se sentava nesse banco,Dorotéia andava por essa rua.È mesmo a história viva.
    Parabéns e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  5. Gloria, o teu texto é tão lindo e tão perfeito para meu momento, que me fez chorar, emocionada...

    Beijo, querida e talentosa poeta em prosa!

    ResponderExcluir
  6. E vamos todos nos perdendo por aí. Amores que dão a vida. Que são a vida. Que nos tornam felizes. Amores mesquinhos. Amores que partem e deixam na saudade um gosto de quero mais. Assim como o seu texto, Glória.
    Adorei : "O amor é o risível do medo".

    Saudades daqui. Pena que seu tempo diminuiu...O mais importante, é que não parte de vez, como Dirceu. Você volta , vez ou outra, para nos encantar com seus textos.

    Um grande beijo !

    ResponderExcluir
  7. Ler vocé é um celeste toque
    na minha alma.
    Viajamos juntas pra Minas em pensamento
    e olhares!
    e espero que sempre!
    Um bjo flor!

    ResponderExcluir
  8. Pra que precisamols de máquinas do tempo, se os verdadeieros escritores e poetas conseguem nos levar junto com sua narrativa e versos? Ler esse texto foi algo fantástico, que me teletransportou aos tempos de Marília de Dirceu, dessa feita, sob o ângulo de Dirceu de Marília. Uma maravilha de composição, caríssima Glória.
    Como Goethe dizia, a história viva encontra-se nas pedras, em cada coisa, em seu tmepo e espaço preservadas, ou algo assim.
    Parabéns, sua escrita é de luz...

    ResponderExcluir
  9. Brava! Acredito que Marília não precisa de Dirceu para sua felicidade mas, mulher, como você escreve bem! Deliciado!

    ResponderExcluir
  10. ..."Como uma mulher suporta a ausência de um amor que se cala?

    Loucura deve ser um deserto de palavras de rumo certo restando apenas fragmentos de poesia"...

    Glórioa,
    Destaquei o trecho que mais emocionou-me. Suas escritas são tão intensas que todo comentário faz-se desnecessário...
    Você é demais.
    bjs
    Rossana

    ResponderExcluir
  11. então é pra mim também. eu mais uma das marílias.

    e sabe que, dizem, a marília era AS mesmo. era um danado o tomás.. rsrsrs... imagina o estrago que nao deve ter feito em degredo.. rsrsrs...

    um beijo.

    ResponderExcluir
  12. Glória,

    - Em teu nome esconde-se algo que a ti tem destino dentro das palavras. Sinto que minha ausência em seus aposentos deixou-me certamente menos, tornei-me um homem que perdeu, muito perdeu, embora tenha ganhado também. Perdi nesse tempo de lê-la, de aprender com tua literatura a amadurecer como escritor – que acaso um dia eu seja. Venho nesse encontro de palavras visitá-la e contemplar tuas belas linhas, que versos feitos em prosa não hão de partir e se partir. Tem algo em tua prosa que me lembrou Drummond. Noto que muito perdi com a ausência, e é certo que o tempo não se toma de volta, contudo, reinvento o tempo para lê-la com muito agrado.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Glória,

    O seu texto é tão maravilhoso que preferi, às minhas palavras, trazer as de Cecília Meireles:

    Romance LXXXV ou
    DO TESTAMENTO DE MARÍLIA

    Triste pena, triste pena
    -- que pelo papel deslizas!
    -- que cartas não escrevestes
    -- que versos não improvisas
    -- que entre cifras te debates
    e em cifras te imortalizas ...

    Ai, fortunas, ai, fortunas ...
    Doblas, oitavas, cruzados,
    vastos dinheiros antigos,
    pelas paredes guardados,
    prêmio de tantos traidores,
    dor de tantos condenados!

    Escreve Marília,
    escreve seu pequeno testamento;
    na verdade, por que vive,
    se a morte é o seu alimento?
    se para a morte caminha,
    na sege do tempo lento?

    Cortesias, cortesias
    de quem diz adeus ao mundo:
    breves lembranças; presentes
    amáveis, de moribundo.
    Que sais vós, ouro das Minas,
    no oceano de Deus, tão fundo?

    Reparti-vos, reparti-vos,
    ouro de tantas cobiças ...
    (Tanto amor que separastes,
    entre injúrias e injustiças!
    E agora aqui sais contado
    para a piedade das missas!)

    Triste pena, triste pena ...
    Triste Marília, que escreve.
    Tão longa idade sofrida,
    para uma vida tão breve.
    Muitas missas ...
    Muitas missas ...
    (Que a terra lhe seja leve.)


    Ótimo fim de semana.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. "Como uma mulher suporta a ausência de um amor que se cala?"

    Não sei. Quem se atreve a me dizer? Nada grita mais que o silêncio estridente, nada preenche mais que o vazio. Não há mais espaço pra nada. Essa espera que parece tomar conta dos dias, que se confundem com um horizonte cada vez mais distante a cada passo dado.
    Entendo Marília e as diversas mortes que povoam sua vida... As mãos atadas e a boca calada... "Desespero é palavra que se usa quando nenhum sentimento resolve."
    Sentir o quê?
    O desespero perde, pois, o patamar de 'abstrato' e passa a ser companhia material.
    É... da pra ver a Marília daqui...

    Perfeito como sempre, mulher! Adorei!

    Beijão!!!

    ResponderExcluir
  15. menina! que linda maneira de ver a Marilia...

    Glória, eu gosto tanto de Ouro Preto... vc ja esteve lá?? Aquelas ruas, as casas, antigas, as montanhas,o friozinho quase sempre presente, a neblina, tudo parece lembrar o tempo de Marilia e Dirceu. As sacadas parecem ainda ter sua presenca por ali. Se vc nao conhece Ouro Preto, por favor, vá qd puder! vc vai voltar cheia de inspiracao...

    ResponderExcluir
  16. Somos as emoções de amor que vc sabe bem as traduzir!
    Beijos, ausentes, mas com saudades.

    ResponderExcluir
  17. Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes.
    No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura, da reflexão e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade, seja feliz e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida. Nós professores temos a faca e o queijo na mão, temos conteúdo para isso. Dá trabalho sim, mas nada paga a sensação do dever cumprido, faz bem para a alma. VAMOS TODOS JUNTOS PELA EDUCAÇÃO NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR ! SIM, NÓS PODEMOS.
    Se gostar da minha proposta, siga-me.
    Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois às vezes a mensagem entram com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários também entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero que entenda quando não puder responder. Os únicos sons que escuto aqui é o dos pássaros, grilos, micos., caipora, saci pererê, a pisadeira, matintapereira ... e outras personagens que vivem pela mata.
    Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
    Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir
  18. Claro que eu vi o seu sorriso, Glória! Ele iluminou tudo! Tudo mesmo! :)

    Saudade de você!

    Beijãooo.

    Pedro Antônio

    ResponderExcluir
  19. Glória. Tempo que não voejo por aqui. Bem. Continuas escrevendo belamente. Sua escrita é brilhante por me silenciar e quebrar toda geleira em meu ser.

    Abraços e paz

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  20. glória:
    cheguei aqui a partir de um link no nassif.
    sobre o gonzaga, mantenho uma implicância com ele.
    romério

    ResponderExcluir
  21. Amei o seu blogue. Textos perfeitos. Que seduzem logo à primeira linha. Já nem me lembro por qual (bendito) caminho aqui cheguei... Bom demais encontrar alguém que escreve como você numa das inúmeras esquinas da rede. Não tenho muito tempo para visitar, por conta do trabalho e dos afazeres domésticos, então, vou segui-la para poder continuar lendo lá no Reader.

    Bjs e inté!

    ResponderExcluir
  22. Hj é Dia
    um bom dia.
    sob lua cheia
    um grande abraço em vc.
    kokohmahá

    ResponderExcluir
  23. o amor que esta longe é
    dorido e perfeito.
    dele é o infinito.
    de dor de amor.

    ResponderExcluir
  24. ...traigo
    sangre
    de
    la
    tarde
    herida
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    TE SIGO TU BLOG




    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...


    AFECTUOSAMENTE:
    LINHAS AO VENTO


    DESEANDOOS UNAS FIESTAS ENTRAÑABLES OS DESEO FELIZ AÑO NUEVO 2010 Y ESPERO OS AGRADE EL POST POETIZADO DE LA CONQUISTA DE AMERICA CRISOL Y EL DE CREPUSCULO.

    José
    ramón...

    ResponderExcluir

Ventanias