domingo, 26 de abril de 2009

Carta para uma deusa com um p.s para Deus


Eu te carrego entre traços rabiscados. Minha mão e a tua, espalmadas, exibem dedos longos. Uma música é tocada no movimento de teus lábios. Teus olhos se movem para lugares distantes quando a voz de Roberto diz: “detalhes tão pequenos de nos dois são coisas muito grandes pra’ esquecer”. Ele nunca aceitou esse outro que invadia sorrateiro o teu folhetim, o teu rebolado na ponta dos pés, essa boêmia de Noel espalhada nas calçadas de Santa Isabel e a entidade suspensa que tu carregas e te espreita. A tua busca se inicia nas escadarias da Glória e descamba nas festas de Iemanjá. Eu surgi dessa promessa, mescla entre sagrado e profano.


Movo-me reta como se carregasse um cetro invisível e um domínio encantado. Você me deixou um titulo de nobreza. Eu guardo aquela foto em que você me sorri e comemora o nascimento entre peitos e braços. Você é deusa de reino distante, daquelas que cruzam o tempo em cavalo veloz e eu parte do teu bando. O vestígio de tua passagem se desenha na ponta do sorriso que faz mover o canto esquerdo dos meus lábios. Tenho um tanto do teu olhar que vagueia curioso e outro tanto que se derrama felino. Eu aprendi a dançar gafieira sob a mira dos teus movimentos sem nunca teres tomado minhas mãos nessa direção. Teu lugar de dançar é sagrado. Eu carrego a Lapa em noites de boêmia. Meus passos te acordam.


Não nascemos para ter marido, essa entidade amorfa, embora o amor bata quase sempre em nossa porta. Casamos com amantes eternos. Gasto tudo que tenho em jogos de alegria. Feito comer em mesa farta, viajar sem destino e ter filhos em demasia. Tenho tido sorte mamãe. Quando fico cansada trago para junto a imagem do Cristo Redentor de “braços abertos sobre a Guanabara”. Eu hoje moro perto do céu e já suporto o brilho das estrelas. Diz para Deus que sou grata por sua extrema gentileza comigo. Ele me carrega. Quando preciso dormir braços e pernas me velam. Quando for partir um séqüito de borboletas e aves de penas leves me conduzirá. Livre. E estará escrito: ela cumpriu a promessa.


para Suely

31 comentários:

  1. Faço tudo assim mas prefiro junto de mim Nossa Senhora

    e esse modus vivendi é o único possível. Não se poupar. Não poupar

    Nada deixar.

    ResponderExcluir
  2. Oiii Glória!!
    "a vida de início nos invade sem que tenhámos o suspiro necessário para torná-la movimento. leva-se tempo para que a dor seja argila para a abertura de novos caminhos. suas palavras nos dizem dessas fendas com poesia. bjs" by Glória!! Encantadora.

    Voltarei!!!
    aloha!
    Hode

    ResponderExcluir
  3. Êita, Glória!!

    Que delícia que tenha sido (e seja) assim.

    Você melhora a cada dia ;-))

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Tenho saudade e pouco tempo, ando arredada dos blogs e muito sedenta de escrever e existir. Passei por aqui, enfim e amei o que li.

    Beijos,
    Carpe Diem!!!

    ResponderExcluir
  5. Aloha Glória!!!

    Uma aurora boreal com todos os matizes anunciará. "ela cumpriu a promessa."

    Fogo. Ar.Agua.Terra.Eter e todos os elmentais renderão Glórias a Ela.

    Aloha Poetisa
    Hod

    ResponderExcluir
  6. Acho que essa carta chegou direitinho a seu destino, por asas de borboleta. às vezes tenho vontade de entrar dentro da tua cabeca, pra saber o que vc de fato quer dizer, mas é como se fosse uma pintura, onde o artista cria e o outro tem que fazer a sua propria descricao, descoberta.

    independente do que seja, é bonito ler vc glorinha. sueli me parece ter sido alguem incrivel. ou é.
    amei!

    vou te escrever um email dia desses, tá?!
    Bjs querida

    ResponderExcluir
  7. Glória lindo! sua carta chegou e ainda está, no ar, com a tua força e o "SIM" do universo girando e fazendo da tua promessa coisa bonita pela estrada.

    ResponderExcluir
  8. Caramba... quanta sensibilidade e talento...
    Que seja assim, amém.

    BeijOs

    ResponderExcluir
  9. Quando eu crescer quero escrever assim.
    Maravilha, Glória.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. eu sou completamente apaixonada por cartas. mas o mundo nunca me escreveu (conhece a emily dicksinson?).

    é lindo, glória, lindo! deu saudade de minha mãe e vontade de ser uma mãe melhor a cada dia.

    destaco ainda o marido amorfo. incrível.

    beijo :)

    ResponderExcluir
  11. Tenho uma Suely (com Y também) na minha vida que é simplesmente o meu eixo, aquela pessoa que você sabe que não pode ficar sem se não você perde a linha. Não é difícil de adivinhar que essa é minha mãe!

    ResponderExcluir
  12. Me gustó el texto lo siento muy especial, tierno, leve y agudo y certero a la vez.."Tenho um tanto do teu olhar que vagueia curioso e outro tanto que se derrama felino"
    Besos

    ResponderExcluir
  13. Olá Glória.
    Já algum tempo que não apareço por aqui, mas não me esqueci da minha amiga.

    "Casamos com amantes eternos".

    Sejamos então amantes eternos. Nada mais bonito que o amor, nada mais puro que um amante.
    Um beijão
    Victor Gil

    ResponderExcluir
  14. "Gasto tudo que tenho em jogos de alegria. Feito comer em mesa farta, viajar sem destino e ter filhos em demasia"...

    Quero viver assim também...
    Quero escrever assim também...

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Mais que um poema é uma belíssima oração... para Suely.
    Quem dera um dia ser capaz de escrever uma assim.
    Beijo!

    P.S. Claro que ela cumpriu a promessa.

    ResponderExcluir
  16. Vila Isabel. Lapa. Glória. Cristo Redentor. Bela homenagem ao Rio de Janeiro.
    Sensível e sutil prosa poética.
    Viva o amor. Viva a liberdade.
    Como a leveza da borboleta, seu texto canta e encanta o Rio de Tom Jobim.Lembrei-me da música Samba do Avião.
    Deus também é grato pelo texto esculpido pelas suas mãos.
    Beijão !

    ResponderExcluir
  17. Glória, lhe agradeço por sua visita e suas palavras. Também irei acompanhar seu blog de perto, pois tenho muito a aprender. Abraço

    ResponderExcluir
  18. O Cristo Redentor de braços abertos para o mar e a cidade... nada mais sugestivo e cativante, a não ser talvez os quadros de Klimt.
    Este que tu usaste para ilustrar o poema eu não conhecia. Conheço dele "O Beijo". è quase tão envolvente como um beijo de verdade,
    Parabéns.
    Au revoir.

    ResponderExcluir
  19. Encantamento,
    reconhecimento e agradecimento.
    Salve, salve a leve deste ser que liberta o mais sublime sentimento, ressonando em todo o universo.
    Gloria, palavras como essa sempre são muito boas para serem lançadas ao universo.
    Gracias por aduba-lo.
    Bjinhos uma semana ensolarada em vc.
    p.s: Adoro sempre te receber.Grata moça

    ResponderExcluir
  20. gostei do teu blog e da tua escrita..curiosamente, a sua escrita me fez lembrar alguem que conhecemos: a Leticia.
    ..me pareceu um texto com cariz de mulher independente..dona do seu próprio nariz e que jamais se arrepende do que faz! Eu gosto de mulher assim...e juntando a isso a vontade e a perícia para escrever.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  21. Que viagem gostosa esta que fiz há pouco, junto contigo a tua infância, a gafieira, quando um corpo aprendeu a balançar vendo o outro e nunca mais parou, quando se viveu sob o Cristo, com olhos vistos a Guanabara ao som daquele tempo...

    Nesta viagem encontrei a pessoa que vi por vezes a foto segurando um acordeão, entoando uma canção. Estive a ouví-la, que canção bonita que aquela que te gerastes tão bem lançou ao vento.
    Aquela Suely só pode ter te soprado, ela, já conclui, era canção, sua tensão era a de viver, de não parar, ela era sopro.

    Homenagem mais singela, não vi.

    beijo fofa

    ResponderExcluir
  22. Glória te desejo um belo feriado e um excelente final de semana.
    Aloha!
    Hod

    ResponderExcluir
  23. Sempre o encontro com tuas linhas ao vento me transportam.
    Você me pega pela mão e me conduz por lugares que eu sabia que existiam, apenas não sabia ainda o caminho.
    E sempre é leve, como vento bom.
    Bj.

    ResponderExcluir
  24. Foi bom ter conhecido o seu sítio. Muito bom.

    ResponderExcluir
  25. G L O R I A!!!...e per te...

    "aetas:Carpe Diem quam minimum credula postero."

    ResponderExcluir
  26. Querida, li suas palavras pra ela. Li e gostei do que li. Haverá sempre como guardá-las conosco e fazêlas reinar mesmo do Reino de Hades. Elas governam das sombras e nas sombras conseguem iluminar nossos caminhos. Quiça um dia também iluminemos nossa descendência com o mesmo vigor...

    ResponderExcluir
  27. Lindo texto,Glória! Esculpido com a mais sensível tessitura de tua verve poética.Parabéns!

    ResponderExcluir
  28. Pura melodia e poesia para transbordar amor e gratidão. Lindo, Gloria!

    ResponderExcluir

Ventanias